Sobre o LENAD Família

LEFAD_1_cor1

Os poucos estudos que avaliam as famílias dos dependentes de álcool e/ou substâncias ilícitas demonstram evidências consistentes do impacto causado particularmente aos familiares mais próximos, tais como cônjuges, pais e filhos. Determinados processos familiares, tais como rituais, funções, rotinas, estruturas de comunicação, vida social e finanças da família são geralmente afetados. Da mesma maneira, problemas que incluem violência doméstica, abuso infantil, roubo de bens familiares, condução de veículos em estado de embriaguez e ausências prolongadas são comportamentos tipicamente descritos pelos familiares. A exposição a estas  experiências muitas vezes se manifesta na forma de sintomas físicos e psicológicos nos familiares mais próximos, tornando-os uma população vulnerável e com necessidades de atenção e cuidados específicos.

 

O conhecimento do perfil dos cuidadores do dependente químico, bem como do impacto que esta condição tráz para toda a família é de fundamental importância para o planejamento de tratamentos mais amplos e eficientes e de políticas de saúde pública visando o amparo desta população.

No período de junho de 2012 a julho de 2013, o INPAD, com financiamento do CNPQ, realizou um estudo abrangendo todas as regiões do Brasil com 3.153  famílias de dependentes químicos em tratamento.

Informações sobre as características sócio-demográficas, percepção do problema e tempo para a busca por ajuda, impacto  financeiro e psicológico da família e impressões sobre os tratamentos utilizados foram investigadas por meio de entrevistas estruturadas.