Instrumentos

LENAD_2

 

O questionário completo foi testado em duas fases, na primeira houveram 5 sessões de entrevistas cognitivas para validação das perguntas que não pertenciam a escalas validadas. Na segunda fase houve a realização de um piloto em 10 residências na cidade de São Paulo para testar as técnicas de arrolamento e medir o tempo de aplicação do questionário completo. Nesta fase também houve a validação do técnica do envelope para a avaliação de uso de drogas ilícitas e perguntas pessoais.

O questionário compreende em uma combinação de 9 escalas validadas.

 

a.     Álcool

A sessão de consumo de álcool foi baseada no questionário HABLAS desenvolvido pelo Prof. Raul Caetano e possui uma sub-sessão de avaliação de abuso e dependência baseado no DSM-IV. Ambos questionários (2006/2012) apresentam também os critérios para a formação do diagnóstico de abuso/dependência de acordo com o DSM-V.  O questionário de 2012 possui também a escala AUDIT traduzida do levantamento domiciliar da Inglaterra (Adult Psychiatric Morbidity in England, 2007).

Referência:Cartão Unidade de álcool_Page_2 Cartão Unidade de álcool_Page_1

Caetano, R., Ramisetty-Mikler, S., & Rodriguez, L. A. (2009). The Hispanic Americans Baseline Alcohol Survey (HABLAS): the association between birthplace, acculturation and alcohol abuse and dependence across Hispanic national groups. Drug Alcohol Depend, 99(1-3), 215-221.

(Caetano, Vaeth, Ramisetty-Mikler, & Rodriguez, 2009)

Babor, T. F., J.R., D. l. F., Saunders, J., & Grant, M. (1992). Alcohol Use Disorders Identification Test [AUDIT]. American Psychiatric Association. Task Force for the Handbook of Psychiatric Measures (pp. 460-462). Washington DC: American Psychiatry Association.

(Babor, J.R., Saunders, & Grant, 1992)

 

b.     Tabaco

A avaliação de consumo de tabaco é uma compilação adaptada das escalas NDSS (nicotine dependence syndrome scale) e a TDS (Tobacco Dependence screener).

Referência:

Piper, M. E., McCarthy, D. E., & Baker, T. B. (2006). Assessing tobacco dependence: a guide to measure evaluation and selection. Nicotine Tob Res, 8(3), 339-351.

Kawakami, N., Takatsuka, N., Inaba, S., & Shimizu, H. (1999). Development of a screening questionnaire for tobacco/nicotine dependence according to ICD-10, DSM-III-R, and DSM-IV. Addict Behav, 24(2), 155-166.

(Piper, McCarthy, & Baker, 2006)

 

c.     Escala SDS  (Severity Dependence Scale)  – Maconha e Cocaína

A escala SDS foi desenvolvida pelo National Cannabis Prevention and Information Centre  (NCPIC) e utilizada pelo levantamento domiciliar da Inglaterra (Adult Psychiatric Morbidity in England, 2007). A validação de sua capacidade de rastrear dependência foi estabelecida por Kaye et al em 2002 e seu uso foi estabelecido para o uso em usuários de cocaína na população brasileira em 2002 por Ferri et al.

SDS

  • Veja aqui a escala SDS para avaliação de dependência de MACONHA.
  • Veja aqui a escala SDS para avaliação de dependência de COCAÍNA.

Referência:

Cuenca-Royo, A. M., Sanchez-Niubo, A., Forero, C. G., Torrens, M., Suelves, J. M., & Domingo-Salvany, A. (2012). Psychometric properties of the CAST and SDS scales in young adult cannabis users. Addict Behav, 37(6), 709-715.

(Cuenca-Royo, et al., 2012)

Ferri, C. P., Marsden, J., de Araujo, M., Laranjeira, R. R., & Gossop, M. (2000). Validity and reliability of the Severity of Dependence Scale (SDS) in a Brazilian sample of drug users. Drug and Alcohol Review, 19(4), 451-455.

(Ferri, Marsden, de Araujo, Laranjeira, & Gossop, 2000; Martin, Copeland, Gates, & Gilmour, 2006)

Kaye, S., & Darke, S. (2002). Determining a diagnostic cut-off on the Severity of Dependence Scale (SDS) for cocaine dependence. Addiction, 97(6), 727-731.

(Kaye & Darke, 2002)

 

d.     Saúde Física

Escala de saúde geral é uma versão traduzida do levantamento domiciliar da Inglaterra (Adult Psychiatric Morbidity in England).

Referência:

NHS Information Centre (2009). Adult Psychiatric Morbidity in England, 2007: results of a household survey. London, UK: NHS.

(NHS Information Centre, 2009)

 

e.     Escala de Dor

A  escala de dor é uma tradução adaptada da usada no levantamento do grupo de pesquisa em demência 10/66

Referência:

Prince M, Ferri CP, Acosta D, Albanese E, Arizaga R, Dewey M, Gavrilova SI, Guerra M, Huang Y, Jacob KS, Krishnamoorthy ES, McKeigue P, Rodrigues JL, Salas A, Sosa AL, Sousa R, Stewart R, Uwakwe R. The protocols for the 10/66 Dementia Research Group population-based research programme. BMC Public Health. 2007 Jul 20;7(1):165

(Prince, et al., 2007)

Website: http://www.alz.co.uk/1066/

 

f.      Escala de Atividade Física

A escala de atividade física advém do estudo longitudinal de Pelotas – RS.

Referência:

Hallal, P. C., Dumith, S. C., Ekelund, U., Reichert, F. F., Menezes, A. M., Victora, C. G., et al. (2012). Infancy and childhood growth and physical activity in adolescence: prospective birth cohort study from Brazil. Int J Behav Nutr Phys Act, 9(1), 82.

(Hallal, et al., 2012)

 

g.     Escala de Dieta

A escala de dieta é uma versão adaptada (reduzida) do levantamento anual do Ministério da Saúde (VIGITEL).

Referência:

Souza Ade, M., Bezerra, I. N., Cunha, D. B., & Sichieri, R. (2011). Evaluation of food intake markers in the Brazilian surveillance system for chronic diseases–VIGITEL (2007-2009). Rev Bras Epidemiol, 14 Suppl 1, 44-52.

(Souza Ade, Bezerra, Cunha, & Sichieri, 2011)

 

h.     Eventos Adversos na Infância

Versão adaptada da Conflict Tacticts Scale Form R desenvolvido por Straus (1998).

Referência:

Straus, M. A., Hamby, S. L., Finkelhor, D., Moore, D. W., & Runyan, D. (1998). Identification of child maltreatment with the Parent-Child Conflict Tactics Scales: development and psychometric data for a national sample of American parents. Child Abuse Negl, 22(4), 249-270.

(Straus, Hamby, Finkelhor, Moore, & Runyan, 1998)

Madruga, C. S., Laranjeira, R., Caetano, R., Ribeiro, W., Zaleski, M., Pinsky, I., et al. (2011). Early Life Exposure to Violence and Substance Misuse in Adulthood – The first Brazilian National  Survey Addictive Behaviors, 36, 251-255.

(Madruga, et al., 2011)

 

i.      Violência Domestica

Versão adaptada da Conflict Tacticts Scale Form R desenvolvido por Straus (1998).

Referência:

Straus, M. A., Hamby, S. L., Finkelhor, D., Moore, D. W., & Runyan, D. (1998). Identification of child maltreatment with the Parent-Child Conflict Tactics Scales: development and psychometric data for a national sample of American parents. Child Abuse Negl, 22(4), 249-270.

(Straus, et al., 1998)

 Hamby, S., Sugarman, D. B., & Boney-McCoy, S. (2006). Does questionnaire format impact reported partner violence rates?: An experimental study. Violence Vict, 21(4), 507-518.

(Hamby, Sugarman, & Boney-McCoy, 2006)

 Zaleski, M., Pinsky, I., Laranjeira, R., Ramisetty-Mikler, S., & Caetano, R. (2010). Intimate Partner Violence and Contribution of Drinking and Sociodemographics: The Brazilian National Alcohol Survey. J Interpers Violence, 25(4), 648-665.

(Zaleski, Pinsky, Laranjeira, Ramisetty-Mikler, & Caetano, 2010)

 

 j.      Escala Qualidade de Vida (WHOQOL)

A Escala de Qualidade de Vida (WHOQOL-bref) foi desenvolvida pela Organização Mundial de Saúde e validada no Brasil pela equipe do grupo de estudos em qualidade de vida do Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal da UFRGS.

Referência:

Grupo de Estudos em Qualidade de Vida – UFRGS (1998). VERSÃO EM PORTUGUÊS DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA (WHOQOL) Porto Alegre: UFRGS.

(Grupo de Estudos em Qualidade de Vida – UFRGS, 1998)

 

k.     Escala CES-D Depressão

A Escala CES-D (Center for Epidemiological Studies Depression Scale – CES-D), foi desenvolvida pelo Centro de Estudos Epidemiológicos e validada no Brasil por Batistoni et al. na Universidade Estadual de Campinas.

Referência:

Bradley, K. L., Bagnell, A. L., & Brannen, C. L. (2010). Factorial validity of the Center for Epidemiological Studies Depression 10 in adolescents. Issues Ment Health Nurs, 31(6), 408-412.

(Bradley, Bagnell, & Brannen, 2010)

Batistoni, S. S. T., Neri, A. L., & Cupertino, A. P. F. B. (2007). Validity of the Center for Epidemiological Studies Depression Scale among Brazilian elderly. Revista de Saude Publica, 41(4).

(Batistoni, Neri, & Cupertino, 2007)

 

l.      Escala Rede de Suporte Social (APMS)

Escala de Rede de Suporte Social é uma versão traduzida e adaptada do levantamento domiciliar da Inglaterra (Adult Psychiatric Morbidity in England – APMS).

Referência:

Brugha, T. S., Morgan, Z., Bebbingotn, P., Jenkins, R., Lewis, G., Farrell, M., et al. (2003). Social support networks and type of neurotic symptom among adults in British households. Psychological Medicine, 33, 307-318.

(T. S. Brugha, et al., 2003)

 

m.   Escala Eventos Negativos Recentes (APMS)

Escala de Eventos Negativos Recentes é uma versão traduzida e adaptada do levantamento domiciliar da Inglaterra (Adult Psychiatric Morbidity in England – APMS).

Referência:

Brugha, T., Bebbington, P., Tennant, C., & Hurry, J. (1985). The List of Threatening Experiences: a subset of 12 life event categories with considerable long-term contextual threat. Psychol Med, 15(1), 189-194.

(T. Brugha, Bebbington, Tennant, & Hurry, 1985)